Altos salários e greves, que causam prejuízos milionários, são motivos para venda do metrô-DF

O governo Ibaneis está decidido a vender o Metrô-DF por falta de capacidade de investimentos. Outros motivos para a privatização, estão relacionados aos altos salários, pagos aos servidores da Companhia, bem como as constantes greves de funcionários que causam prejuízos milionários ao sistema. A última paralisação chegou a 77 dias. “O povo não aguenta mais pagar essa conta”, defende  Ibaneis Rocha

Por Toni Duarte//RADAR-DF

Nos últimos 15 anos a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal têm sido criticada por passageiros pela superlotação e falhas recorrentes no sistema.

Apesar de ser um serviço essencial para a população o metrô continua o mesmo que foi inaugurado pelo visionário Joaquim Roriz, em 2002, quando foi governador do DF. Os trens são velhos e arcaicos. Verdadeiras sucatas sobre trilhos.

A lei determinar que ninguém pode ganhar mais do que o teto permitido pela Constituição, no entanto, o metrô do DF não é obrigado a seguir o limite, porque mantém gastos com pessoal e custeio com recursos próprios.

Os salários para quem trabalha no Metrô-DF são um dos mais altos em comparação o que pagam outras empresas metroviários do Brasil.

No mês de março, por exemplo, a diretoria do metrô resolveu aumentar seus próprios salários.

Os contracheques turbinados, para quem ocupa cargo de chefia, ganharam um acréscimo de 80% sobre a remuneração anterior.

Os subsídios na Companhia não seguem necessariamente uma lógica hierárquica.

Tem gente que não é diretor mais está ganhando acima do contracheque recebido pelo governador Ibaneis Rocha, que a cada final do mês repassar o valor a uma entidade sem fins lucrativo do DF.

Os mais de mil funcionários de nível médio da companhia recebem R$ 9.256,45, enquanto o mesmo trabalhador do Metrô de São Paulo recebe, em média, R$ 4. 500,00.

Os pilotos dos trens do metrô de Brasília ganham salários, em média, R$ 8.000,00 por mês. Os agentes de estação recebem R$ 7.000,00.

Se fosse funcionários do metrô de São Paulo os respectivos salários cairiam pela metade.

A sequência de má gestão, que passaram pelo comando da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal, fez a empresa perder o status de independência do Estado, que ultimamente está sendo obrigado a fazer investimento na manutenção da rede.

O dinheiro do Metrô tem servido para pagar o saco sem fundo de bons salários.

Após 77 dias de braços cruzados, o que causou um prejuízo de R$ 9,3 milhões aos cofres da empresa, os metroviários continuam na chamada “greve branca”.

As filas de passageiros continuam emperradas nas bilheterias para a compra de cartões de acesso às plataformas.

Funcionários continuam faltando ou chegando tarde no serviço.

A justificativa é de que a empresa deixou de fornecer o transporte para os funcionários, algo jamais aceito, por exemplo, por qualquer empresas da iniciativa privada.

A situação fez o governador pensar e reagir. Ibaneis  afirmou que o sindicato está trabalhando contra o Metrô e seus próprios empregados. Disse que todos sabem que a empresa perdeu a sua capacidade de investimento.

“Se não buscar uma parceria na iniciativa privada, a empresa realmente quebra e todos vão ficar desempregados”, prevê o governador Ibaneis.

O que disse Ibaneis Rocha se materializou por meio de um chamamento publicado no Diário Oficial do DF na última segunda-feira (22/07/2019).

A publicação autoriza o início dos estudos de viabilidade para concessão de gestão, operação e manutenção do modal.

O termo é assinado pela Secretaria de Transporte e Mobilidade. Onze empresas participam das análises preliminares da possível parceria público-privada (PPP).

As empresas credenciadas têm um prazo de 120 dias para apresentação de propostas. Até o final do próximo ano a licitação será lançada.

Caso isso aconteça, os servidores do metrô deverão ser relocados em órgão da administração pública ou se adequar aos salários pagos pela iniciativa privada.

COMPARTILHAR AGORA

 

FIM DE ANO| Mais de 1.200 policiais farão a segurança no réveillon brasiliense

Sob a coordenação da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), as forças de …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.