O vice-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal faz um balanço sobre as ações que estão modernizando o parlamento do DF

“Ela estava no passado. Agora a Câmara Legislativa está no futuro”, diz Delmasso

|Por Toni Duarte||RADAR-DF

O vice-presidente da Câmara Legislativa, Rodrigo Delmasso (Republicanos), garantiu nesta quinta-feira (19) a jornalistas da ABBP que o Poder Legislativo do Distrito Federal sairá do passado com a implantação das novas tecnologias que o transformará em uma Câmara do futuro.

 

A Câmara Legislativa, criada em 1988, pela primeira vez, está passando por uma transformação capaz de colocá-la no mesmo patamar da maioria dos legislativos brasileiros.

Um painel eletrônico está sendo montado no plenário. A partir de fevereiro de 2020, quando reinicia os trabalhos legislativos, os 24 deputados distritais usarão as digitais e os tabletes de suas bancadas e não mais o grito para votar ou a folha de assinaturas para marcar  presença.

As “saidinhas a francesa” estão com seus dias contados.

Nenhum parlamentar usará o velho formato artesanal para fazer um requerimento ou projetos de lei já que pode fazer tudo isso eletronicamente.

Todo esse processo de mudanças, para melhor, está sob o comando do vice-presidente Rodrigo Delmasso, que em sintonia com o presidente Rafael Prudente (MDB), está tirando o poder legislativo da era jurássica para o maravilhoso mundo digital.

O toque de modernidade iniciou-se no dia 1 de novembro com a implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações), cujo resultado prático já está dando agilidade aos procedimentos internos da Casa.

Desde a implantação do novo sistema cerca de 14 mil tramitações foram feitas eletronicamente.

“Antes, o servidor tinha que sair de sua sala, levar em mãos os documentos e entregar a outros setores. Hoje, apenas com um toque, em um teclado, esse mesmo documento chega em frações de segundos ao destinatário”, disse Delmasso.

O distrital explicou que o SEI é um instrumento que existe deste 2013, utilizado pelo Ministério da Economia, cujo software do governo federal atualmente vem sendo cedido aos Estados e Municípios e que só agora chegou a Câmara Legislativa.

Por tanta modernidade que introduziu a CLDF no mundo digital, segundo Delmasso, a Casa conduziu um processo licitatório que muita gente acreditava não ser vitorioso.

Para Delmasso, foi uma grande vitória desse primeiro passo sobre a completa informatização do Poder Legislativo do Distrito Federal.

Ele disse que pela primeira vez um edital foi feito por meio de uma audiência pública, o que evitou qualquer tipo de questionamento do Tribunal de Contas ou do Ministério Público de Contas, já que os representantes dessas duas instituições participaram das discussões.

“O procurador-chefe do Ministério Público de Contas fez as suas considerações. Cerca de 25 empresas participaram do certame, aberto inicialmente com R$2.5 milhões e o contrato foi finalizado com R$ 1 milhão 948 mil; ou seja, uma economia de 600 mil reais dentro do processo licitatório”, destacou o deputado.

O vice-presidente afirmou ainda que a Câmara Legislativa do Distrito Federal finalmente chegou a modernidade e que 2020 será o grande marco para o inicio de uma nova história.

COMPARTILHAR AGORA

 

REI DOS CARGOS| Jorge Viana “chuta” projeto de Ibaneis, mas não quer largar a “boquinha”

|Por Toni Duarte|| RADAR-DF O governo deve passar o rodo em todas as indicações do …