Facada de Adélio em Bolsonaro doeu menos que a trairagem do PSL contra o presidente

||Da Redação RADAR-DF

A guerra está declarada. De um lado o presidente Jair Bolsonaro. Do outro, o PSL, partido que ajudou a turbinar o transformando na segunda maior bancada na Câmara. A maioria dos 52 deputados resolveu sair para o confronto contra o presidente.

 

Em 2014 o PSL, partido de Jair Bolsonaro, teve apenas 808 mil votos. Já em 2018 foram 11,6 milhões, um crescimento de 1.341%.

A ex-legenda nanica de Luciano Bivar, que na legislatura passada tinha apenas oito deputados, hoje é a segunda maior bancada com 52 parlamentares. Todos foram eleitos na grande onda de Jair Messias Bolsonaro.

O efeito Bolsonaro contribui ainda com as finanças do partido de Luciano Bivar.

O PSL tem a maior fatia do Fundo Partidário entre todas as siglas; cerca de R$ 110 milhões. Em 2017 o insignificante partido de Bivar recebia apenas R$ 6,2 milhões.

Bolsonaro elegeu dezenas de candidatos desconhecidos das urnas eleitorais até então como a jornalista Joice Hasselmann, a segunda mais votada em São Paulo, com mais de 1 milhão de votos para deputada federal.

A cria Joice Hasselmann passou este sábado (19) detonando o presidente nas redes sociais e criou motivos para  se bandear de vez  para o grupo do governador de Sao Paulo João Dória.

O ex-ator pornô, Alexandre Frota, foi outro deputado federal eleito pela onda bolsonarista com cerca de 152.958 dos votos. Frota hoje é um dos mais ácidos inimigo do presidente e dos filhos dele.

A expansão avassaladora do PSL, abriu uma guerra intestinal onde facadas nas costas atingem  o  presidente da República.

Além de ter que se defender da histórica esquerda, Jair Messias Bolsonaro também terá que se defender dos ataques daqueles que  ajudou a eleger.

COMPARTILHAR AGORA

 

Câmara Legislativa entrega prêmio a Codevasf por ser empresa Amiga da Primeira Infância

A Câmara Legislativa do Distrito Federal, realizou na sexta-feira (01), sessão solene para entrega do …