Fundo sob ataque| Flávia Arruda reage contra propostas que atingem Fundo Constitucional

|Por Toni Duarte||RADAR-DF

A deputada federal Flávia Arruda (DEM) reagiu nesta quarta-feira (01/09) contra projetos que tramitam na Câmara dos Deputados que acabam ou tentam tirar parte do Fundo Constitucional do DF. Cerca de R$14 bilhões são repassados pela União para manter a Segurança, Saúde e Educação.

 

Em 2015, o presidiário e então deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) ameaçou colocar em votação o fim do Fundo Constitucional do DF, caso a Agência de Fiscalização (Agefis) na época desobstruísse uma área pública invadida pela residência destinada ao parlamentar.

Em 2016, o deputado João Campos (GO), deu entrada em uma PEC que chegou a ser debatida pela Comissão de Constituição e Justiça que estabelece a retirada de R$ 1,4 bilhão do Fundo Constitucional do DF para os municípios goianos que ficam no entorno de Brasília.

Desta vez,  o Fundo Constitucional volta a ser atacado por uma proposta (PEC 148/2019) de autoria da deputada Clarissa Garotinho (Pros-RJ).

Ela exige que parte dos recursos sejam destinados ao Rio de Janeiro justificando que o seu Estado sofreu prejuízos com a transferência da capital do país para o Planalto Central.

“Não permitiremos que uma proposta trazida ao Congresso, de forma irresponsável retire do DF qualquer valor do fundo constitucional”, reagiu a deputada Flávia Arruda.

A deputada explicou que o FCDF representa cerca de 33% do orçamento do GDF e que dos R$ 42 bilhões previstos para 2019, R$ 14 bilhões vêm do Fundo e são destinados para manter a Segurança Pública e à assistência financeira para Saúde e Educação.

“Esses recursos são extremamente importantes para custear serviços essenciais à população”, apontou a parlamentar.

A preocupação com a sequência de ataques ao Fundo Constitucional levou a bancada do DF a se reunir com o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) na última terça-feira.

“ Assim como fomos até ele, vamos procurar cada deputado para esclarecer este projeto. O fundo é constitucional, totalmente comprometido com a folha de serviços essenciais de uma cidade que é hospedeira da União, capital do país, sede de representações internacionais. Não pouparei esforços para que o DF não viva um colapso”, sustentou Flávia Arruda no seu perfil do Instagram.

COMPARTILHAR AGORA

 

Detentos gravam vídeo dançando “lambadão” com caixa de som em presídio

Um vídeo gravado por um detento do Mato Grosso registrou um momento de “descontração” no …