Magno Malta com mágoa de Bolsonaro: “Eu achava que ia ser ministro”

Em uma entrevista exclusiva dada a jornalista Amanda Audi, repórter do The Intercept Brasil, em Brasília o senador Magno Malta (PR), revela um sentimento de mágoa profunda com o presidente eleito Jair Bolsonaro. O senador capixaba, que rodou o Brasil com o “capitão”, de quem se diz amigo de primeira hora, ficou fora do governo. Confira o desabafo de Magno Malta em duas horas de conversa com a jornalista do The Intercept Brasil

*Por Amanda Audi

Magno malta não falava com ninguém desde a semana passada, quando se convenceu de que não vai mesmo fazer parte do governo de Jair Bolsonaro. Até então, ele era o braço direito do presidente eleito.

Participou da campanha mais ativamente que qualquer outro aliado. Articulou o tão desejado apoio do pastor Silas Malafaia e da bancada evangélica, movimento definitivo para derrotar Fernando Haddad. Conduziu uma oração em rede nacional logo após Bolsonaro vencer a eleição. Era chamado por ele de “vice dos sonhos”.

Tudo levava a crer que Malta teria um lugar de destaque na equipe que comandará o país. De uma hora para outra, porém, as coisas mudaram. E ele sofreu as duas maiores derrotas de seus 30 anos de vida pública.

Primeiro, o capixaba não conseguiu se reeleger como senador. Ele diz que abdicou de fazer campanha para si mesmo para se dedicar à de Bolsonaro. Mal pisou no Espírito Santo nos dias que antecederam o pleito.

Segundo, foi escanteado pelo aliado. Antes, o pastor dizia: “vou ser ministro, sim“. As pastas foram acabando e ele sobrou. O general Mourão, vice de Bolsonaro, chegou a se referir a Malta como “o elefante no meio da sala“, pois ninguém sabia o que fazer com ele.

Alvo de escândalos, como supostamente ter mandado torturar um homem inocente para se promover (o ex-cobrador Luiz Alves de Lima relatou o caso ao Intercept) ou ter gasto quase meio milhão de reais de dinheiro público em dois postos de gasolina no Espírito Santo, além de crítico de integrantes da equipe, como do próprio Mourão, o senador acabou sendo visto como um homem tóxico.

Chegou ao ponto de Bolsonaro cogitar chamar Damares Alves, assessora parlamentar de Malta, para o Ministério dos Direitos Humanos – justamente a pasta com que sonhava. A punhalada foi forte.

‘Você vê muita gente que falava mal dele, não pedia voto, e agora tá aí, se aproximando.’

Visivelmente abatido, Magno se isolou em seu sítio em Viana, região metropolitana de Vitória, desde a última quinta-feira. Estava na companhia da família e de poucos assessores. O celular, fora de área. “Ele precisava de um tempo”, comentou o pastor Valmir Lima, irmão de criação do senador. Frases parecidas foram repetidas a mim por amigos, funcionários e conhecidos.

Durante três dias, percorri Cachoeiro do Itapemirim, Vitória e Vila Velha atrás de Malta. Só consegui encontrá-lo no voo de volta a Brasília. Sentei ao seu lado. Ele vestia uma camiseta de sua campanha contra a pedofilia (tema de CPI que comandou no Senado), sapatênis branco e uma grossa corrente de ouro. Reparei que ninguém o cumprimentou.

Falando baixo e com postura encurvada, sua figura em nada lembrava a imponência de situações que ele domina com maestria: cultos, shows, tribunas e campanhas. No avião, pediu um café com três saquinhos de adoçante. Sua voz saiu tão fraca que o comissário não escutou.

Na conversa, de cerca de duas horas, ele disse várias vezes que ainda torce por Bolsonaro e o considera “um amigo”. Mas também não escondeu a amargura: “Você vê muita gente que falava mal dele, não pedia voto, e agora tá aí, se aproximando”. Ao ser questionado se sua atual situação se deve a Mourão, desconversa, e diz que é preciso tempo. Mourão seria um ingrato? “Ingrato eu não diria.” Se arrepende de ter deixado de lado a própria campanha para se ver hoje fora do governo? “Não lutei para ter um cargo no governo”, mas “pelo Brasil”.

Seus atos, no entanto, são menos generosos que as palavras. A desilusão foi tão grande que ele decidiu não disputar mais eleições. Quer se dedicar ao projeto de recuperação de viciados em drogas que mantém em Cachoeiro e ver os netos crescerem. “O meu papel foi feito. Tudo passa nessa vida”, comentou, entre uma turbulência e outra.

Intercept – No ano que vem, o que você vai fazer? Se dedicar ao seu projeto [de recuperação de viciados em drogas, mantido por Malta em Cachoeiro do Itapemerim] ?

Magno Malta – Sim, e também vou seguir minha agenda de músico [ele tem 27 discos de música gospel]. Já cumpri o meu legado para a sociedade brasileira.

Você tá saindo da vida pública?

Ah, eu tô. Foram 30 anos. Eu tenho um netinho de dois anos que fala mais do que a boca, eu quero ver crescer. Tem uma outra que está vindo, eu quero ver nascer e crescer também. Foram seis mandatos, né.

30 anos…

Servir a Deus e respeitar o meu país. Eu ajudei a libertar o meu país desse viés ideológico. Criamos um projeto de nação. Passei os últimos seis anos e meio com Bolsonaro. Realizei meu sonho de libertar o Brasil desse viés ideológico. Quando Bolsonaro foi eleito, nós fomos orar, pedindo força para esse mandato. Pedi que Deus guarde ele dos homens maus, que ele não tem compromisso nenhum com crime. Eu viajei todo esse país, conversei com pessoas, multidões. Mal voltei pra casa. Rodei todo o nordeste. O meu papel foi feito. Tudo passa na vida.

Você não vai concorrer mais então?

Não quero mais disputar eleição.

Mas e se vier algum cargo no governo?

Ele não tem obrigação nenhuma comigo. As pessoas não sabem da nossa amizade.

Você não ficou magoado?

Não. O viés ideológico foi quebrado, nós ajudamos o país a se livrar dos tentáculos. O Brasil voltou a amar o Brasil, as pessoas voltaram a se emocionar com o hino nacional.

Mas se ele oferecer algum cargo…

Ah… A posição dele não é fácil. Tem a cirurgia que ainda vai fazer.

Não acha possível ter algum convite ainda?

Não (enfático). Sem chance.

Ele deve indicar a sua assessora parlamentar, Damares [Alves, cotada para o Ministério dos Direitos Humanos]…

Damares é minha assessora há muitos anos.

Se ele chamar ela, vai ser um agrado pra você?

Não. Se ele chamar ela, vai ser um reconhecimento do trabalho dela.

Vocês são amigos ainda?

Sim. A autoridade é dele, ele é o presidente desse país. A amizade não vai acabar porque durante dois meses da eleição eu achava que ia ser ministro e eu não fui ministro.

Faz seis anos que vocês são amigos?

Eu fui deputado federal junto com ele, depois o tempo como senador. A gente se aproximou na época do “kit gay”. De lá pra cá a gente se deu muito bem.

Se você recebesse um ministério como o dos Direitos Humanos, poderia talvez dar continuidade ao trabalho das CPIs que presidiu. Você não acha que ele pode te chamar para algo relacionado a isso?
Não, acho que não. Mas tudo bem. Depois do dia 17, vou viajar para Israel, adoro Israel. Vou passar o Natal em Belém.

Qual a sua formação religiosa? – Magno Malta me perguntou.

Eu era espírita, agora não frequento mais…

Esse país é cristão, evangélicos, católicos, espíritas. A gente fez um trabalho muito forte. Perguntava pra pessoa: você é contra o aborto? É a favor que um rapaz de 17 anos que cometeu um crime seja preso? Então você é Bolsonaro e só não sabia.

Esse tipo de pensamento sempre foi forte, nessas eleições parece que cresceu.

Foi um trabalho de libertação, porque milhões de pessoas eram presas pelo Bolsa Família. Agora vai se mostrar que o Bolsa Família vai continuar, e a pessoa no Sesc, no Senac, fazer um curso profissionalizante e depois deixar o programa. E, se tem filhos, e tá matriculado na escola, vai ganhar 13º e até 14º salário. Eles tinham medo de não votar no PT. Sempre a história do medo, medo, medo.

Isso foi uma reação à fala do Mourão, criticou o 13º…

É …

Como é sua relação com Mourão?

[Relutante, Malta demora a responder] Pode procurar um vídeo em que eu defendo o Mourão, de um ano e meio atrás, mais ou menos. Põe lá: “Magno Malta defende Mourão”. Ele falou um negócio lá, e o PT pediu pra ele se explicar. Eu defendi ele.

Ele foi meio ingrato?

Eu não uso essa palavra pra ninguém. Não quero brigar.

Talvez uma frase infeliz?

É… as pessoas percebem. Vocês na área de vocês, percebem.

Ele chegou a falar que você era um “elefante na sala”…

É…

Você acha que ele é ingrato?

Ingrato eu não diria.

E sua relação com Onyx?

Era boa. Ele era deputado federal e eu senador. Tinha amizade com ele, estávamos na mesma luta.

O que você acha sobre algumas pessoas investigadas estarem na equipe de Bolsonaro, como Onyx, Mandetta?

A gente sempre falou que seria um governo sem essas coisas de Lava Jato, delação, citação.

[Faz uma pausa, pega o café e muda de assunto]

Nesses seis anos e meio, eu sempre soube que ele seria o candidato…

Por quê?

A gente ia dividir [ter duas candidaturas à Presidência]? Não ia dar certo. A gente entendeu que era importante eu estar no Senado, ser uma voz importante para ele lá dentro, com a experiência que eu tenho. Em 2014, ele começou a falar que seria candidato e foi o que Deus quis.

Por que não foi você o candidato?

Porque o Bolsonaro fala o que as pessoas querem ouvir. É incisivo. Ele fala sem pensar, não fala o politicamente correto. “Vamos botar esse povo na cadeia, porra”. Eu também sou assim, não sou politicamente correto. Foi Deus que escolheu, e eu entendi. Se eu fosse assaltado por uma vaidade e concorresse, todo mundo ia perder.

Mas e se fosse você, e não ele?

Eu sempre entendia que era ele.

Isso em oração?

Sim.

Malta orgulha-se te ter apresentado Bolsonaro ao pastor Silas Malafaia. Malta orgulha-se te ter apresentado Bolsonaro ao pastor Silas Malafaia (no canto, à esquerda). Foto: Reprodução/Instagram

Bolsonaro é católico, mas ligado ao mundo evangélico…
Eu o apresentei [fala, batendo no peito] ao Silas Malafaia, eu que falei com Silas, com outros pastores. Eu convenci eles. Foi um trabalho muito grande.

Foi depois do apoio dos evangélicos que ele cresceu mais, estourou nas pesquisas.

O povo passou a entender que tinha que ser contra o PT, contra a corrupção. As pessoas foram entendendo. Eu percorri esse país de ponta a ponta. Isso aí foi o povo que decidiu. Eu falei com muita gente, eu participei das chegadas em aeroporto, com aquele monte de gente…

Era emocionante?

Sim, sim. Um privilégio, ele é um cara competente, honesto, pedi pra Deus proteger ele. Porque nessas horas aparecem oportunistas, aproveitadores, gente de má fé. Tem que ter coragem para tomar boas decisões.

Você vai continuar apoiando?

Mas é claro, esse é o nosso país e ele é o nosso presidente. Se o Bolsonaro não me convidar pra nada, eu continuo guerreiro pela causa dele.

Se ele te chamar pra conselheiro? Ele parece que te escuta.

Ele tem que ter liberdade. Eu vou continuar.

Você conhece o Congresso como poucos. Como acha que vai ser a relação?

Muita gente vai querer se aproximar, como moscas perto do mel. A maioria é mosca de varejo. Ele vai ter que fazer acordo lá. Tem a história do rei Salomão… Na oração, quando teve a eleição, ele tinha me chamado pra orar na live que ele fez na internet. Eu lembrei do rei Salomão, que pediu sabedoria. Veja o vídeo. Ele falou sobre a união dos cristãos, católicos, evangélicos, espíritas, e falou de pedir sabedoria. Pra Deus nos dar sa-be-do-ria.

Você tinha falado sobre isso com ele?

Na última vez que eu vi o Bolsonaro, faz uns 15 dias, eu só lembrei ele desse fato. Peguei nas mãos dele, orei por ele. Falamos poucas coisas. Falei que o país precisava de um presidente que tem Deus no coração. Lembrei a ele sobre a história do rei Salomão. Sabedoria. Orei e depois não falei mais nada. Fui embora.

Ele falou alguma coisa?

Não.

Isso pareceu uma despedida.

Não… Orei e achei que não tinha que falar mais nada. Fui sincero.

Você acha que foi por causa do Mourão?

As coisas de Deus a gente nem sempre entende. Quem sabe daqui a seis meses a gente entende, quem sabe daqui a um ano… Um dia veio uma mulher, pegou na minha mão e falou: “você não vai ser nada no governo”. Eu não lutei para ter um cargo no governo, lutei pelo Brasil.

Você tem um legado, você não fica pensativo sobre se poderia fazer mais?

Posso fazer mais, não precisa estar no governo, chegar em mais lugares, criar mais consciência. Acho que o Brasil vai ter uma nova geração de Moros, no Judiciário. De Dallagnols.

Por que você escolheu esses temas das drogas e da pedofilia para serem suas bandeiras?

Foi um chamado, um sacerdócio. Eu construí todo um legado. Para evitar o sofrimento de crianças no país.

Tem um rapaz que diz que foi torturado…

Isso aí é bobagem. Aquilo foi criado. O delegado prendeu. Ele não tá nem no relatório da CPI. Quem prende é o delegado, eu não prendi…

Mas ele fala…

Eu não fiz nada. Tanto que ele não tá nem no relatório. Cadê os laudos? Quem pediu laudo foi delegado. Ele nunca foi chamado em CPI, nunca foi convidado. Isso não vai dar em nada.

Por que você acha que ele fez isso então?

Um cara que defende criança, defende a vida como eu? Eu tava na cela? Eu sou delegado? Eu sou agente penitenciário? Não tem o menor fundamento. Se ele tivesse sido convocado para CPI… eu fui lá, eu fiz tortura psicológica? Não tem nada.

Então você não ficou mesmo chateado com Bolsonaro?

Não. As pessoas acham, o Brasil inteiro, mas não.

Mas e com a situação [de ficar de fora do governo]?

[ele não responde, apenas mexe os ombros.]

Você tem falado ou visto Bolsonaro?

Não.

É difícil de entender…

Eu e ele? Por que ele não me chamou?

Isso, e as escolhas que ele fez para o primeiro escalão. Isso te incomoda?

Você vê muita gente que falava mal dele, não pedia voto, e agora tá aí, se aproximando…

Quem?

Não quero citar nomes.

*Amanda Audi é repórter do The Intercept Brasil em Brasília, com foco em política e direitos humanos. Formada pela UFPR, já colaborou para veículos como Folha de S.Paulo, O Globo, Gazeta do Povo, TV Globo, Poder360, Congresso em Foco, entre outros.

COMPARTILHAR AGORA

 

Incêndio do Museu Nacional: A Globo produz desinformação

 Por Lauro Assunção: A Rede Globo insiste em ocultar dos brasileiros os verdadeiros culpados pela …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.