“Não há razão para Brasília se manter como Estado empresário”, diz Ruy Coutinho

|Por Toni Duarte//RADAR-DF

Com uma dívida estimada em R$1 bilhão e sem a eficiência para cobrar R$ 634 milhões, dos 558 mil brasilienses inadimplentes, entre pessoas físicas e empresas, a CEB Distribuidora corre a passos largos para os braços da privatização. O secretário de Desenvolvimento Econômico Ruy Coutinho sustenta que não há  razão para Brasília se manter como um Estado empresário

A CEB (Companhia Energética de Brasília), com suas 27 diretorias, escolhidas por critérios políticos e com a maioria das pessoas sem qualificação técnica para o cargo, será a primeira de algumas empresas de economia mista do GDF que será privatizada.

O acordo assinado pelo governador Ibaneis Rocha com o Banco de Desenvolvimento Econômico (BNDS) na terça-feira passada, no Buriti, foi o ponto de partida para que o Estado se livre de um fardo pesado, que vive em situação pré-falimentar e que, mesmo moribunda, paga salários estratosféricos a boa parte de seus funcionários.

A ideia inicial é fazer a privatização da distribuidora em que o setor privado passe a ser o maior controlador com 51% e o Estado com 49%.

No entanto, o secretário de Desenvolvimento Econômico Ruy Coutinho, disse durante uma entrevista a uma emissora de rádio do DF, na última quarta-feira, que essa discussão pode evoluir para a privatização total da empresa sem qualquer participação do Governo.

“Não há razão mais para Brasília se manter como Estado empresário”, disse o secretário.

Ele disse que privatizar a CEB e transformar a elétrica em uma corporação com controle pulverizado pode ser o melhor modelo para o negócio como é o caso da Embraer.

Ruy Coutinho assegurou que o BNDS (Banco Nacional do Desenvolvimento Social), deve apresentar um elenco de sugestões que serão discutidas entre o banco, as empresas e o próprio governo.

“Vejo a possibilidade de vários cenários com relação a privatização da distribuidora que será transferida para o setor privado”, pontuou.

E como fica a questão dos funcionários? Para a pergunta o secretário foi enfático:

“O grupo ou os grupos que adquirirem o controle da empresa irão tratar a questão trabalhista com todo cuidado e, evidentemente, não haverá uma política de terra arrasada. Quanto aos casos residuais dos altos salários, isso, após a privatização, vai cair na real e chegará aos níveis praticados pelo mercado por empresas do setor elétrico”.

Por fim ele disse acreditar que a direção da CEB deve propor aos seus funcionários um PDV (Plano de Demissão Voluntária) como forma de evitar grandes traumatismos em cima dos atuais empregados da companhia.

COMPARTILHAR AGORA

 

Bancada do DF pressiona Planalto por reajuste salarial e plano de carreira dos militares

Os policiais civis, PMs e bombeiros estão lutando há alguns anos por melhorias em seus …