Cinco intensos meses depois do início do governo, ele se revoltou e declarou esta semana: “ não me meto mais na política brasileira ".

Quem é Olavo de Carvalho, protagonista de polêmicas do governo Bolsonaro?

Em um governo marcado por inúmeras polêmicas, um personagem tem se destacado ao protagonizar boa parte delas. Sem nem sequer ocupar um cargo na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Olavo de Carvalho já acumula uma infinidade de interferências e bate-bocas em menos de cinco meses de governo. Mas afinal, quem é Olavo de Carvalho?

Por Sara Baptista /Postado por RADAR-DF/

Nascido em Campinas, no interior de São Paulo em 1947, ele se define como “apenas um véio lôco” em seu perfil no Facebook, e diz também que é “lôco o bastante para ser sincero”. Desbocado e pavio curto, Olavo de Carvalho defende Bolsonaro, mas usa sua sinceridade para criticar quem cerca o presidente.

Apesar de se auto-denominar filósofo, ele nunca se formou e não tem nenhum diploma universitário, ainda que tenha chegado a estudar filosofia na PUC-Rio.

Olavo já trabalhou como jornalista em diversos jornais do País – apesar de hoje grande parte de suas críticas serem destinadas à imprensa. É astrólogo, ministra cursos que misturam filosofia, política e esoterismo e tem mais de 30 livros publicados.

Um dos quais estava em cima da mesa de Jair Bolsonaro durante a transmissão ao vivo nas redes sociais que o político fez assim que se elegeu presidente, em outubro de 2018.

A presença de “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota” no primeiro pronunciamento do presidente eleito era a confirmação da relação próxima do ideólogo com Bolsonaro e um prenúncio de sua participação no governo.

Bolsonaro e seus filhos são fãs declarados de Olavo. Os quatro se inspiram em suas ideias conservadoras. Mas, apesar de atualmente ser uma referência da direita, o ensaísta já foi filiado ao Partido Comunista durante o período da ditadura militar, regime que combateu.

Até agora, a atuação de Olavo no governo Bolsonaro foi bastante contundente, ainda que informal. Ele afirma que foi convidado para assumir o Ministério da Educação mas, após recusar, indicou Ricardo Vélez Rodrígues para o cargo.

Além dele, o escritor também foi responsável pela indicação do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, do substituto de Vélez, Abraham Weintraub, e de alguns servidores de outros escalões.

Logo após a indicação de Vélez e dos servidores, no entanto, ele também contribuiu para a queda dos mesmos . Olavo trocou farpas com Vélez quando ele ainda ocupava o cargo, chamando o então ministro de tucano, em referência à política do PSDB.

Olavo, porém, negou ter pedido a saída de Vélez. “Não quero derrubar ministro nenhum. Apenas apresentei pessoas, sem a menor pretensão de influenciá-las (sei que isto é inimaginável para o pessoal da mídia, para quem influenciar é orgasmo). O ministério é do Vélez. Que o enfie no c*”, escreveu no Twitter.

Na mesma época, ele também justificou suas outras indicações e pediu que seus alunos deixassem o governo .

“Jamais gostei da ideia de meus alunos ocuparem cargos no governo, mas, como eles se entusiasmaram com a ascensão do Bolsonaro e imaginaram que em determinados postos poderiam fazer algo de bom pelo país, achei cruel destruir essa ilusão num primeiro momento”.

Essa está longe de ser a única polêmica protagonizada por Olavo de Carvalho. Ele não poupa críticas à ala militar e chegou a profetizar que o governo não duraria seis meses em função da equipe que cerca o presidente, majoritariamente composta por membros das Forças Armadas.

Representante máximo da influência militar no governo Bolsonaro, o vice-presidente, general Hamilton Mourão , já discutiu por meio da imprensa e de redes sociais com Olavo diversas vezes.

Em uma ocasião, o escritor apareceu em um vídeo no canal de Jair Bolsonaro condenando os militares e as escolas geridas pelas Forças Armadas. Mourão respondeu que ele deveria se limitar à função de astrólogo ao que Olavo retrucou : “Coisa de moleque analfabeto”.

Por vezes, Carlos Bolsonaro se junta ao escritor contra Mourão, e Olavo devolve a cortesia. O ápice do desacordo aconteceu quando o ideólogo incentivou o deputado e pastor Marco Feliciano a pedir o impeachment do vice.

Em um episódio mais recente, o ideólogo chamou o general Villas Bôas, ex-comandante do Exército, de “ doente preso a cadeira de rodas ”.

A fala foi uma resposta à declaração de Villas Bôas de que Olavo estaria “prestando um enorme desserviço ao País”, e foi duramente reprimida por representantes da oposição e da base aliada do governo.

Outros que não escaparam dos ataques do guru do presidente foram o general Santos Cruz , ministro-chefe da Secretaria de Governo, o governador de São Paulo, João Doria , e o pastor Silas Malafaia , ambos apoiadores de Bolsonaro.

Em meio a tantas confusões, Bolsonaro tenta colocar panos quentes. O presidente já afirmou que não há divisão no governo entre militares e “olavetes”. Ele também ofereceu a mesma condecoração a Mourão e a Olavo de Carvalho.

O escritor foi um dos convidados a participar do jantar oferecido na casa do embaixador brasileiro durante a primeira visita de Bolsonaro aos Estados Unidos, país onde Olavo reside. O pensador vive em Richmond, no estado da Virgínia, que fica na costa leste do país, perto da capital Washington.

Ele se mudou para o país norte-americano em 2005 e chegou a afirmar que o fez em função do governo Lula.

De lá, ele ministra seus cursos à distância e preside o Inter-american Institute for Philosophy, Government, and Social Thought (IAI – Instituto Interamericano para Filosofia, Governo e Pensamento Social, em tradução livre), uma organização de estudos sociais e políticos.

Apesar de supostamente ter negado cargos no governo, Olavo já disse qual posição gostaria de ocupar: embaixador do Brasil nos Estados Unidos . O cargo, no entanto, ainda não lhe foi oferecido.

Sua interferência na política brasileira não incomoda apenas Mourão. Muitos outros congressistas da base aliada, incluindo os fiéis Alexandre Frota (PSL-SP) e Carla Zambelli (PSL-SP), já questionaram sua participação no governo.

Mesmo com todas as polêmicas, especialistas têm dificuldade de entender por que Bolsonaro continua se fazendo refém de Olavo de Carvalho – ainda que ele negue o termo “guru” e afirme que não há interferência no governo .

O escritor é popular nas redes sociais, com 718 mil inscritos em seu canal no youtube, 579 seguidores no Facebook, 617 mil seguidores no Twitter. Mas a popularidade do presidente independe de Olavo, Bolsonaro é muito maior.

Muitos depositam as amarras de Bolsonaro a Olavo na conta dos filhos, principalmente Eduardo e Carlos Bolsonaro .

Os dois são fiéis seguidores do guru e não medem esforços para defendê-lo. Em troca, Olavo retribui a admiração e já até sugeriu que os três filhos do presidente virassem ministros .

A atuação de Olavo de Carvalho na gestão de Bolsonaro começou antes mesmo da posse do novo presidente, mas sua participação futura é incerta. Cinco intensos meses depois do início do governo, ele se revoltou e declarou esta semana: “ não me meto mais na política brasileira “.

Fonte: Último Segundo IG

COMPARTILHAR AGORA

 

OPINIÃO| Banco de Brasília entra em nova era na gestão Ibaneis

O Banco de Brasília (BRB) é muito maior do que qualquer quadrilha que tentou colocar …

Um comentário

  1. Vocês publicam basicamente o que outros já tornaram público e ainda passam batidos sobre o conteúdo de seus livros? O, gente: dá motivo pra gente elogiar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.