Rollemberg manda TCU se lascar e nomeia PM para assinar alvará em Itapoã

O Sargento Leiber Alves de Sousa, foi nomeado por Rollemberg para ser o novo administrador Regional do Itapoã. A nomeação do policial PM fere a decisão do Tribunal de Contas da União que proíbe o GDF de praticar o desvio de função de pessoal da Segurança Pública. Por traz da nomeação, pode está o interesse de espertalhões na tentativa de liberar o  alvará de um empreendimento ilegal de milhões de reais, erguido no coração do Itapoã

Por Toni Duarte//RADAR-DF

Apesar da Casa Militar do Governo Rollemberg se recusar a liberar o sargento Leiber Alves de Sousa, para assumir o cargo de administrador regional do Itapoã, conforme o DODF do dia 04/07/2018, no entanto, o ex-secretário das Cidades, Marcos Dantas, não abre mão da posse do seu indicado, mesmo que tenha que passar por cima da decisão do Tribunal de Contas da União.

O TCU determinou, na sessão plenária de 16 de agosto do ano passado, que bombeiros, policiais militares e civis do Distrito Federal, estão proibidos de serem cedidos a outros órgãos.

No entendimento do TCU as cessões desses servidores representam um severo desvirtuamento da natureza do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF), uma vez que elas são custeadas com repasses desse fundo.

Na época o TCU determinou que o Governo do Distrito Federal providenciasse o retorno dos servidores que desempenhavam funções ligadas a atividades de segurança pública.

O Tribunal determinou ainda a autuação de processo para apurar, no prazo de 180 dias, os valores a serem ressarcidos pelos cessionários ao FCDF, bem como as razões e os responsáveis pela não realização dos ressarcimentos.

Na quarta-feira da semana passada o governador Rodrigo Rollemberg, fez cara de paisagem para a determinação do TCU.

Ele assinou e mandou publicar no Diário Oficial, a nomeação do sargento da PMDF, Leiber Alves, ex-candidato a deputado distrital pelo Pros, e hoje cabo eleitoral de Marcos Dantas e homem de confiança do ministro Ronaldo Fonseca.

Além de PM, Leiber também é pastor de uma igreja evangélica no Itapoã.

A missão do novo administrador, que ainda não foi empossado no cargo, seria a de se meter em um rolo maior dos infernos que pode dá cadeia.

Todo interesse do “probo e correto” governo socialista gira em torno do maior empreendimento irregular da cidade do Itapoã: o Atacadão Tacarejo.

O hipermercado reúne um conglomerado de lojas, posto de combustíveis e serviços de entretenimento. Bacana se não fosse ilegal.

A pedra no caminho do megaempreendimento é que foi construído em cima de uma área particular pertencente aos herdeiros do espólio de Sebastião de Souza e Silva, proprietários da área com 1.371ha da Fazenda Paranoá, registrada no Cartório de Luziânia, desde 1924.

Nos últimos quatro anos, embora com mandato judicial, que determina a Agefis demolir o prédio, no entanto o órgão se faz de cego,  surdo e mudo,  ignorando a construção do Atacarejo que está pronto para funcionar.

Forças governamentais, não tão ocultas assim para o Ministério Público do DF, protegem os interesses do Atacarejo que passou incólume aos tratores da Agefis, os mesmos que foram usados para demolir casas de famílias pobres, acusadas de “grileiras e invasoras”.

A alternativa dos herdeiros donas das terras, foi buscar na justiça o impedimento do alvará de funcionamento do empreendimento.

A documentação do prédio foi feita por Claudia Santana, ex-administradora da cidade, mas se negou a assinar o alvará com medo de desobedecer uma ordem judicial e ter o mesmo destino de alguns administradores que venderam alvarás .

Ela foi afastada do cargo há seis dias, mas como prêmio de consolação foi mantida em outro cargo no Palácio do Buriti.

Para concluir a demanda do empreendimento ilegal, Marcos Dantas (PSB) e o ministro Ronaldo Fonseca, escalaram o sargento PM e pastor evangélico Leiber Alves.

A pergunta que não quer calar, é: Será que o pastor quer correr o risco de parar na cadeia ou queimar no mármore dos infernos em nome do chefe?

COMPARTILHAR AGORA

 

Quanto Custa a vida de Maria? Para os diretores do Hospital de Base, nada!

O Hospital de Base de Brasília, administrado por um instituto que fatura do erário público  …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.